logo federação
43 ANOS
logo federação
Principal Estatuto Disciplinar Rel. Anual Diretoria História Contato Localização
Notícias Fotos Vídeos Mídias Colunas Biblioteca
Enquetes Eventos Galeria de Honra Fundo do Baú Publicações
Atletas Clubes Regulamentos Calendário Resultados Campeonato Recordes
FUNDO DO BAÚ
voltar ao menu
1923 - CRIAÇÃO DA FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TIRO
1.Reflexos da conquista das primeiras medalhas olímpicas

Uma notícia publicada em um matutino do Rio de Janeiro em 1920 trouxe uma nova realidade para o Tiro Esportivo e para as modalidades desportivas que também se beneficiaram com o fato: “A notícia das primeiras medalhas olímpicas correu todo o País dando conta do feito de um punhado de dedicados atletas, que mesmo sem contar com o apoio necessário, demonstraram a capacidade de adaptação e de criatividade do homem brasileiro, superando todos os problemas e obtendo uma vitória memorável”.

Equipes como a França, considerada uma das melhores do mundo, não obteve o sucesso esperado nesses jogos, a par de toda a sua meticulosa organização. O chefe da equipe francesa, em seu relatório transcrito na revista da UIT “Le Tir National”, faz uma análise completa do treinamento e do apoio do governo francês:

“cerca de 8.000 francos foram destinados à compra de 20 fuzis suíços e de 20 modernas pistolas, além de conceder uma bolsa de 120 francos a cada atirador, pelo período de três meses em que ficariam treinando à disposição do governo”.

O mesmo relatório também fazia severas críticas à organização belga, apontando como causa do fracasso da equipe francesa: “as precárias instalações do estande de tiro, montado ao ar livre, sem oferecer as mínimas condições de conforto aos atiradores”.

No Brasil, as principais conseqüências da vitória de Paraense, Afrânio e de toda equipe brasileira foram:

1) Regulamentação das provas de tiro, segundo as normas e regulamentos da União Internacional de Tiro (UIT);

2) Inclusão da competição de Tiro no programa dos Jogos Latinos-Americanos, nas festividades que comemoraram o Centenário da Independência do Brasil, em 1922, no Rio de Janeiro;

3). Desenvolvimento do Tiro Esportivo no Rio de Janeiro e nos Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais, com o surgimento de vários clubes.

4) Criação da Federação Brasileira de Tiro (FBT), em 1923, sob os auspícios da Liga de Defesa Nacional e do Comitê Olímpico Brasileiro. O Tiro Nacional desligava-se da direção da Diretoria Geral de Tiro e da CBD, alcançando a sua maioridade desportiva.

2. Declínio e fechamento da DGTG

A Direção Geral de Tiro do Guerra, sob a direção do Coronel Olavo Manoel Corrêa”, realizou antes do seu fechamento importantes eventos desportivos:

a. Concurso de Tiro - Tiro de Guerra 6 - no estande da Polícia Militar (Rua Frei Caneca) em 03 de abril de 1921 com as provas:

1) “Prova Dr. Paulo de Frontin” – revólver – 50 m – 15 tiros, vencida por Alberto Pereira Braga com 94 pontos, superando o Dr. Afrânio Costa por um ponto.

2) “Prova Cel Olavo Manoel Correia” - fuzil 300 m - alvo de 12 zonas - sendo 5 tiros deitado

b. Grande Campeonato de Tiro ao Alvo – 27 Nov 1921 – Vila Militar. Foi um dos maiores campeonatos organizados pela DGTG e que contou com 530 concorrentes, sendo 306 atiradores filiados às Sociedades de Tiro. Onze provas foram disputadas, participando atiradores de quatro estados e sagrando-se vencedor o TG – 318 de Porto Alegre.

Resultados das principais provas:

a. Revólver ou Pistola de Guerra (Parabelum) – 50 m – 10 tiros

1º) 2º Ten José Alves Magalhães – 61 pontos

2º) 1º Ten Eurico Mariano de Oliveira – 61 pontos

3º) 2º Ten Heitor José Vieira – 59 pontos

4º) 1º Tem Ayrton Plaisant – 58 pontos

5º) Cap de corveta Geraldo Martins – 15 pontos

b. Revólver ou Pistola de Guerra 50 metros – 15 tiros

1º) Dr Afrânio Costa – 115 pontos

2º) Ten Antônio Ferraz da Silveira – 109 pontos

3º) Cap Aristides Paes de Souza Brasil – 101 pontos

4º) Atirador Alberto Cruz Santos – 101 pontos

5º) 1º Ten Demerval Peixoto – 100 pontos

A DGTG ainda realizou em 10 de junho de 1922, o “Concurso Defesa Nacional”, na Vila Militar, onde foi disputada pela primeira vez uma prova de carabina para damas, 25 metros – 10 tiros, que teve o seguinte resultado:

1º) Srta. Jandira Moreno – 93 pontos

2º) Srta. Rosa Vigorano – 82 pontos

3º) Mme. Cap Vigarano – 80 pontos

A outra prova foi revólver 50 metros - 24 tiros - em 180 segundos cada tiro. Este tipo de prova em muito se assemelha com as “provas finais”, realizadas hoje em dia, e teve como resultados:

1º) Dr. Afrânio Costa – 123 pontos

2º) 1º Ten Demerval Peixoto – 119 pontos

3º) Cap Aristides Paes Brasil – 117 pontos

Com a situação política se agravando no País, em decorrência do desencadeamento do “Movimento Tenentista”, com o episódio dos 18 do Forte no Rio de Janeiro, a DGTG acabou sendo desativada, chegando ao fim depois de desempenhar um ciclo importante com a implantação do Tiro Esportivo no Brasil. Seria substituída por uma instituição desportiva civil encarregada de traçar os novos rumos do esporte.

3. Jogos Latino-Americanos

Durante a comemoração do Centenário da Independência do Brasil, em 1922, ocorreu no Rio de Janeiro uma Exposição Internacional, que envolveu toda a região central da cidade e mobilizou boa parte da população. As multidões compareciam aos eventos, às festas e aos desfiles e aos pavilhões das artes e ofícios de diversos países.

Juntamente com a Exposição, foram organizados os Jogos Regionais da América do Sul, também denominados de “Jogos da América do Sul” e “ Jogos Latino-Americanos”. A realização destes Jogos teve a ver diretamente com o propósito do barão de Coubertin de expandir o Movimento Olímpico para além da Europa e dos Estados Unidos, organizando sob a sua chancela “jogos regionais” nos continentes.

Pretendia-se, desde então, que estes jogos se realizassem de quatro em quatro anos, intercalados com os Jogos Olímpicos. Para verificar a viabilidade deste evento, foi enviado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) o conde de Baillet-Latour, que se tornara presidente do COI, depois da saída de Coubertin. Ele esteve presente na Abertura dos Jogos, que contou com a presença do Presidente da República, Arthur Bernardes, e ocorreu em 6 de setembro de 1922, no Estádio do Fluminense, remodelado para acolher as disputas atléticas e um público de 20.000 pessoas.

Os Jogos oficiais estenderam-se até 16 de setembro, com disputas de remo, tiro, atletismo, hipismo, boxe, tênis, esgrima, natação, saltos ornamentais e pólo aquático. Estiveram presentes representações desportivas da Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai.

O Tiro Esportivo foi inserido neste evento internacional, graças aos magníficos resultados alcançados pela equipe nacional, nos Jogos Olímpicos de Antuérpia. O Dr. Arnaldo Guinle, Presidente do Fluminense e Dr. Afrânio Costa foram os responsáveis pelo movimento da inclusão das provas de tiro.

O Ten Guilherme Paraense, justificando plenamente o seu favoritismo, venceu a prova de revólver, seguido do Ten Antônio Ferraz da Silveira e do campeão argentino Cunnings. A equipe brasileira sagrou-se campeã com Dr. Afrânio Costa completando a equipe. Na prova fuzil de guerra, a equipe argentina foi a vencedora.

4. Fundação da Federação Brasileira de Tiro (FBT)

Após a realização dos Jogos Latino-Americanos, os dirigentes do tiro, liderados por Afrânio Costa, sentindo-se suficientemente organizados e fortalecidos pelo desempenho da equipe brasileira na Antuérpia e nos Jogos realizados em 1922, trataram de projetar o Tiro Esportivo, tornando-o independente das instituições que conduziram os seus passos desde 1906.

Com a experiência adquirida à frente da Seção de Tiro ao Alvo do Fluminense e contando com o apoio imprescindível do Dr Arnaldo Guinle, membro do Comitê Olímpico Brasileiro, Afrânio procurou inspirar-se na União Internacional de Tiro (UIT) para modelar a nova entidade.

Atiradores como Benjamim Oliveira Filho, Ivo Arruda, Heitor Beltão, Gabriel Bernardes e Afrânio se revezaram na confecção dos Estatutos da nova entidade. A tarefa foi trabalhosa, porém muito bem conduzida, não faltando a participação de outros atiradores, pois todos queriam participar deste novo projeto que engrandeceria o esporte do Tiro.

No Diário Oficial de 1923, foi publicada a criação da Federação Brasileira de Tiro, que teve como principais artigos do seu estatuto:

Art. 1 – “A Federação Brasileira de Tiro, fundada a 2 de julho de 1923 no Rio de Janeiro, onde tem a sua sede, sob os auspícios da Liga de Defesa Nacional e da Diretoria Geral do Tiro de Guerra, é uma sociedade civil, de caráter meramente esportivo, destinada a intensificar e robustecer os laços de solidariedade entre atiradores brazileiros, unindo-os sempre pelo amor à Pátria. Outrossim, terá como escopo auxiliar a organização e a conservação do Tiro entre as que constituem ou vão constituir as reservas do Exército nacional: não só despertando o interesse dos cidadãos pelo manejo das armas de fogo, habilitando-os pelo esporte à práctica de armas, dessa natureza, visando principalmente os que ainda não atingiram à edade militar, como também, attrahindo, desenvolvendo e aperfeiçoando os que já souberam atirar”.

Art. 2 – “Para tal fim a Federação deverá:

a) estimular, por meio de campeonatos e competições periódicas, o desenvolvimento do esporte do tiro e das sociedades filiadas à federação;

b) interceder junto às autoridades competentes para que seja permitido aos Tiros de Guerra, que se filiarem à federação a organização de provas e concursos esportivos, com armas regulamentares ou não, sem prejuízo da disciplina militar a que estiverem sujeitos e dentro destes Estatutos;

c) prestigiar as sociedades federadas, amparando-as sempre que a Comissão Diretora a julgar necessário;

d) incentivar a construção de stands ou campos de tiro, onde se possa practicar o tiro esportivo, procurando crear em cada Capital de Estado, pelo menos um stand modelo;

e) procurar obter reduções nos transportes, hotéis e tudo mais que facilite o comparecimento freqüente aos campos ou stands de tiro;

f) estabelecer uniformidade nas provas e concursos esportivos promovidos pelas sociedades federadas, organizando para tal fim regulamentos especiais, que deverão aproximar-se o mais possível da normas internacionais em uso;

g) organizar grandes campeonatos Nacionais e Internacionais, selecionando, adestrando e cuidando dos elementos que deverão formar as representações nacionais no estrangeiro, facilitando tudo quanto puder concorrer para o triumpho e renome do Brazil”.

A primeira diretoria foi assim constituída:

- Presidente: Dr. Miguel Calmon du Pin e Almeida

- 1º Vice-presidente: Dr. Henrique Coelho Neto

- 2º Vice-presidente: Dr Plínio Marques

- 3º Vice-presidente: Cel João Heliodoro de Miranda

- 1º Secretário: Dr. Afânio Antônio da Costa

- 2º Secretário: Dr. Gabriel Loureiro Bernardes

- 3º Secretário: Dr. Heitor da Nóbrega Beltrão

- 1º Tesoureiro: Dr. Juvenal Murtinho Nobre

- 2º Tesoureiro: João Bosisio

- 3º Tesoureiro: Afonso Vizeu

- Conselho Técnico: Dr. Benjamim de Oliveira Filho

1º Ten Euclydes Zenóbio da Costa

1º Ten Antônio Ferraz da Silveira

Oscar Thiers de Faria

Paulo Lorena

No próximo artigo, veremos como a Federação Brasileira de Tiro desincumbiu-se da missão de conduzir os destinos do Tiro Esportivo pós Jogos Olímpicos da Antuérpia.

Instrutores Credenciados Wir Equipamentos Gregory Armeiro Camping & Cia Paula Carvalho - Avaliação Psicológica
Blog Tiro Olímpico Blog Primeiros Tiros
Principal  |  Estatuto  |  Disciplinar  |  Rel. Anual  |  Diretoria  |  História  |  Contato  |  Localização  |  Notícias  |  Fotos  |  Vídeos  |  Mídias  |  Colunas  |  Biblioteca
Enquetes  |  Eventos  |  Fundo do Baú  |  Publicações  |  Atletas  |  Clubes  |  Regulamentos  |  Calendário  |  Resultados  |  Campeonato  |  Recordes
Av. Colares Moreira, 444 sala 646 B - Jardim Renascença - São Luís - MA - 65075-441 (98) 3251-3535