logo federação
43 ANOS
logo federação
Principal Estatuto Disciplinar Rel. Anual Diretoria História Contato Localização
Notícias Fotos Vídeos Mídias Colunas Biblioteca
Enquetes Eventos Galeria de Honra Fundo do Baú Publicações
Atletas Clubes Regulamentos Calendário Resultados Campeonato Recordes
FUNDO DO BAÚ
voltar ao menu
1913 - TIRO DESPORTIVO NACIONAL
1. Tiro no Brasil

Há 100 anos o Tiro Desportivo no Brasil já existia e contava com vários atiradores associados à Confederação do Tiro Brasileiro (CTB), órgão máximo do Tiro Nacional e ligado ao Estado-Maior do Exército Brasileiro As provas nacionais eram realizadas no antigo estande de tiro do Exército, remodelado em 1917 e localizado na Vila Militar, onde hoje funciona o moderno Centro de Nacional do Tiro Nacional (CNTE), construído em 2007 para os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro e que conta com várias linhas de tiro para os praticantes do tiro de carabina, pistola, tiro ao prato e fuzil. Outro local para as provas de tiro era a rústica linha de tiro da Quinta da Boa Vista onde foram realizados os campeonatos cariocas da época.

Mas, como eram realizadas as provas naquele período?

Devido a grande distância em que se encontrava a Vila Militar do centro da cidade do Rio de Janeiro e as dificuldades de transporte, o atirador tinha que superar todos os obstáculos para participar das provas de tiro. Acordar muito cedo, enfrentar uma cansativa viagem de trem da Central até Deodoro, carregando um fuzil Mauser 7 mm às costas, envolto em uma capa protetora, luneta, funil para refrescar o cano com água, material de limpeza e alimento, em face da precariedade do lugar para encontrar refeição era a rotina do atirador de arma longa da época.

Tal como ocorre hoje, o atirador de arma curta tinha a sua prática mais facilitada, pois carregava apenas uma pequena maleta com revólver ou “pistolet”, como se chamava a arma de pistola livre antigamente, e munição além de uma luneta para a observação do tiro. As provas eram reduzidas com poucas séries para competir. Os marcadores eram recrutas do Exército devidamente instruídos por um sargento para auxiliarem na prova

O campeonato municipal de 1913 foi disputado no estande da Quinta da Boa Vista e o vencedor da prova de fuzil de guerra foi o atirador do Distrito Federal Rodolpho Kunding. Já o Campeonato Brasileiro de revólver, disputado na Vila Militar, foi vencido pelo então Aspirante à Oficial Guilherme Paraense, que mais tarde iria brilhar na conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos da Antuérpia de 1920. Somente possuímos no nosso arquivo os resultados de prova a partir de 1914.

As primeiras provas nacionais de tiro que temos notícia surgiram em 1909 na Vila Militar, Rio de Janeiro, onde se destacaram vários atiradores como o Dr. Fernando Soledade, Rodolpho Kunding, Alberto David Pereira Braga, Tenente Flávio do Nascimento, Capitão Fernando Vigarano e os gaúchos Sebastião Wolf e Dario Barbosa.

Na época somente o Clube de Tiro 4, localizado em Porto Alegre, possuía estande próprio que estava localizado no Tiro de Guerra No 4.

2. Tiro Internacional

No âmbito internacional, a União Internacional de Tiro (UIT) entidade máxima do Tiro, que nasceu sob forte influência francesa, organizou o 170 Campeonato Mundial de Tiro no “aberto” estande militar de Camp Perry, nos Estados Unidos. Foi a primeira vez que as provas Internacionais foram disputadas fora da Europa, graças ao grande esforço desenvolvido pela Associação Nacional de Rifle da América (NRA).

Em 20 de dezembro de 1912, a NRA escreveu para todas as Nações membros da UIT exprimindo sua calorosa recepção e oferecendo transporte da costa leste de Nova York até Camp Perry. O Presidente da UIT enviou uma carta de apoio à NRA, datada de 8 de janeiro de 1913, contendo um completo programa e divulgando os 42 eventos.

Uma vez mais a equipe da Suíça liderou a prova de fuzil livre e o seu atirador Conrad Staheli foi o único competidor entre as sete equipes participante a obter uma pontuação acima de 1000 pontos. Os Estados Unidos venceram a prova de pistola, derrotando as equipes da França, Suécia, Suíça e o recente admitido Peru. Eriksson da Suécia venceu a modalidade de fuzil de guerra.

Das dezessete nações membros, nove representantes estavam presentes na Assembléia Geral presidida pelo presidente Daniel Merillon. O México e o Peru foram admitidos e aceitos à UIT. Ficou acordado na ocasião que o campeonato de 1914 seria realizado na Dinamarca e que em 1915 ficou estabelecido que seria na Hungria.

Várias mudanças técnicas nas provas foram propostas e discutidas na Assembléia pela Comissão de Estudo presidida por Merillon e aprovadas pelo Comitê Técnico. Sete países apoiaram a proposta da mudança na freqüência dos campeonatos de não mais serem realizados anualmente, mas alternando-se os anos. Outros países discordaram devido a várias provas nacionais terem sido anteriormente agendadas em face da sua programação comemorativa. Merillon foi reeleito Presidente doa UIT para um mandato de mais três anos e com discursos de agradecimentos e felicitações pelo encontro, que durou cerca de duas horas, foi devidamente encerrada a Assembléia.

Os resultados do 170 Campeonato foram os seguintes:

a. Pistola Livre - 50m - 60 tiros

1º E. Carlberg (SUE) - 486

2º Alfred P. Lane (USA) - 486

3º Casimir Reuter Sikioeld (SUE) - 477

Equipe campeã: Estados Unidos: 2235 pontos

b. Fuzil Livre - 300m - 120 tiros

1º Conrad Staheli - (SUI) - 1030

2º Gaspar Widmer - (SUI) - 994

3º Mathias Brunner - ( SUI) - 985

Equipe campeã de Fuzil Livre: Suíça - 4959 pontos

c. Fuzil Militar - 300m - 60 tiros

1º M. Eriksson - (SUE) - 485

Instrutores Credenciados Wir Equipamentos Gregory Armeiro Camping & Cia Paula Carvalho - Avaliação Psicológica
Blog Tiro Olímpico Blog Primeiros Tiros
Principal  |  Estatuto  |  Disciplinar  |  Rel. Anual  |  Diretoria  |  História  |  Contato  |  Localização  |  Notícias  |  Fotos  |  Vídeos  |  Mídias  |  Colunas  |  Biblioteca
Enquetes  |  Eventos  |  Fundo do Baú  |  Publicações  |  Atletas  |  Clubes  |  Regulamentos  |  Calendário  |  Resultados  |  Campeonato  |  Recordes
Av. Colares Moreira, 444 sala 646 B - Jardim Renascença - São Luís - MA - 65075-441 (98) 3251-3535